ComboiosComboios Portugueses (Tópicos):
- Informações Técnicas (Em Construção...)

Breve História dos Caminhos de Ferro Portugueses

Em Inglaterra, circulou o primeiro comboio no mundo, a 27 de Setembro de 1825. Passados 19 anos, foi pensado criar uma companhia ferroviária portuguesa, ganhando o concurso, a empresa Companhia Central Peninsular dos Caminhos de Ferro de Portugal, (criada em Londres a 14 de Maio de 1852) , do inglês Hardy Hislop. Inaugurou-se depois a 28 de Outubro de 1856 o 1º troço: Lisboa (Stª Apolónia) - Carregado, pelo Rei D. Pedro V. O pormenor desta viagem descreve-se do seguinte modo: a uma das duas locomotivas que rebocavam o Comboio Real rebentaram alguns tubos, daí ter que ser retirada do comboio, provocando considerável atraso. A segunda locomotiva puxou meio comboio de Póvoa a Lisboa, e voltou depois para buscar o resto. Quanto ao segundo comboio (com convidados), teve que esperar que lhe desimpedissem a linha.

No ano seguinte, a empresa era pertença do Estado Português e de um outro inglês Sir Morton Petto, a linha avançou até ao Apeadeiro das Virtudes, fazendo os 50 km de Lisboa, em direcção ao Porto. No ano de 1863 a linha já chegava à fronteira Espanhola. Em 1865 funda-se a Companhia Real dos Caminhos de Ferro Portugueses (com Sede em Paris), uma vez que a anterior companhia faliu. O contrato durou 99 anos.

Em 1855, a Companhia dos Caminhos de Ferro do Sul do Tejo (CFS) iniciou a construção da linha Barreiro - Vendas Novas. Apesar de já circularem comboios entre Barreiro e Bombel, a inauguração foi feita a 1 de Fevereiro de 1861.

Entretanto, a Companhia do Sueste, também conhecida como “Companhia Inglesa”, ficou encarga de construir o troço Vendas Novas – Beja, iniciando-se a exploração a 15 de Fevereiro de 1864. O mais curioso era que as bitolas destes dois troços eram diferentes:, enquanto que Barreiro-Vendas Novas era de 1.67 m (igual à da linha espanhola), a de Vendas Novas – Beja era de 1.44 m: isto obrigava ao transbordo em Vendas Novas. Mais tarde, uniformizou-se a bitola para 1.67 m.

Na Linha do Sado, por falta de uma ponte (que veio a ser inaugurada apenas a 1 de Junho de 1925), foi feito o transbordo entre as margens do Rio Sado, na vila de Alcácer do Sal. O troço Setúbal- Alcácer do Sal, foi inaugurado a 25 de Maio de 1920, e o de Garvão- Alcácer do Sal a 14 de Julho de 1918.

De notar ainda que, a CP dispunha de uma frota de 8 barcos (porque actualmente os barcos pertencem a uma outra empresa) ,sendo 6 deles construídos nos anos 60 a 70 pela E.N.V.C., possuem uma velocidade de 13 nós, e os restantes 2 barcos construídos em 1978, nos Estaleiros de São Jacinto. Estes atingem 14 nós de velocidade.

A Linha de Cascais foi crescendo ao longo dos anos: primeiro só ia a Pedrouços (inaugurado em 1889), depois prolongou-se a Alcântara, seguindo-se o Cais Sodré. A Exploração era feita pela Companhia Real dos Caminhos de Ferro. Em 1915, a Sociedade Estoril, assinou um contrato, para desenvolver a linha com fins turísticos, uma obrigação desse contrato era electrificar a linha. A Electrificação começou em 1918 e só em 1926 se concluiu, devido a problemas causados pela Guerra. Foi a primeira linha do País e da Península Ibérica a ser electrificada, enquanto que a CP, só em 1956 electrificou as linhas nacionais. Passados 50 anos, a linha de Cascais voltava a pertencer aos Caminhos de Ferro Portugueses.

Com a implantação da República, a Companhia Real passa a ser Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses (CP), e construíram-se também as linhas do Minho (6 de Agosto de 1882), Douro (2 de Dezembro de 1887), do Sul e Sueste e seus ramais, com capitais e exploração exclusivas do Estado.

Em 1927, várias linhas passaram para a CP e, 20 anos depois, as linhas de exploração própria (Beira Alta, Norte de Portugal, Companhia Nacional e Vale do Vouga, as 3 últimas de via estreita, excepto a Linha de Cascais, passando esta para a CP em 1971, fazendo um total de 3600 kms. A CP foi nacionalizada em 1975.

A maior parte das linhas de via estreita situa-se no Norte, em Trás-os-Montes, Minho, algumas já encerradas e ao abandono... e outras passaram a metro de superfície (LRV).

A 29 de Julho de 1999, entrou ao serviço o primeiro operador privado (após 1975) “Fertagus” que faz a travessia ferroviária sobre o Rio Tejo na maior ponte rodo-ferroviária suspensa (então) do mundo: a ponte “25 de Abril”.

O operador “Fertagus” tem contrato de gestão e exploração comercial na “linha da ponte”. Com uma média diária de 130 mil passageiros transportados, e de 41 milhões em média anual de cruzeiro, a Fertagus possui 18 unidades múltiplas eléctricas da série 3500 (iguais às da CP), tendo uma lotação máxima de 1200 passageiros por comboio (em unidade quádrupla).

 

Fica aqui a lista dos primeiros Operadores Ferroviários Privados em Portugal:

1874 - "Companhia dos Caminhos de Ferro de Porto à Póvoa de Varzim e Famalicão"
1875 - "Companhia do Caminho de Ferro de Guimarães"
1878 - "Companhia dos Caminhos de Ferro da Beira Alta"
1883 - "Companhia Nacional de Caminhos de Ferro"
1907 - "Companhia do Caminho de Ferro do Vale do Vouga"
1918 - "Sociedade Estoril"
1927 - "Companhia dos Caminhos de Ferro do Norte de Portugal"

28/10/2004 - Alteração da denominação social da CP – Caminhos de Ferro Portugueses que passa a chamar-se CP – Comboios de Portugal.

 

Datas de Inauguração de Linhas e Troços:

28/10/1856: Troço Lisboa Stª Apolónia -Carregado [Construção Iniciada em 1853]
01/02/1861: Troço de Pinhal Novo - Setúbal
01/02/1861: Linha de Barreiro - Vendas Novas [Construção Iniciada em 1855]
14/09/1863: Linha de Vendas Novas - Évora
15/02/1864: Linha de Vendas Novas - Beja
22/12/1873: Linha de Évora -Estremoz
01/06/1882: Linha da Beira Alta
06/08/1882: Linha do Minho
02/04/1887: Linha de Sintra
02/12/1887: Linha do Douro
00/00/1888: Linha do Oeste
01/07/1889: Linha de Beja -Faro
00/00/1889: Troço de Cascais - Pedrouços
11/05/1892: Linha da Beira Baixa
04/09/1895: Ramal de Cascais
15/02/1903: Troço de Tunes -Portimão
01/08/1905: Linha de Estremoz -Vila Viçosa
14/01/1904: Linha de Vendas Novas
14/04/1906: Troço de Faro -Vila Real de Santo António [Conclui-se a então Linha do Sul com início no Barreiro]
04/10/1908: Ramal do Montijo (Aldegalega)
11/07/1908: Linha de Mora
02/09/1909: Ramal de Montemor
14/07/1918: Troço de Garvão - Alcácer do Sal [Transbordo Fluvial até 1925]
25/05/1920: Troço Setúbal - Alcácer do Sal [Transbordo Fluvial até 1925]
30/07/1922: Troço de Portimão -Lagos
01/06/1925: Inauguração da Ponte de Alcácer do Sal

 

As Linhas e os Ramais:

VIA LARGA:
Linha do Minho: Porto São Bento - Valença (Fronteira)
Linha de Leixões: Contumil - Leixões
Linha do Douro: Ermesinde - Barca de Alva (Fronteira) [Sem Tráfego: Pocinho - Barca de Alva]
Linha do Norte: Lisboa Stª Apolónia - Porto Campanhã
Linha de Guimarães: Lousado - Guimarães
Linha da Beira Alta: Pampilhosa - Vilar Formoso (Fronteira)
Linha do Oeste: Cacém - Figueira da Foz
Linha da Beira Baixa: Entroncamento - Guarda
Linha do Leste: Abrantes - Elvas (Fronteira)
Linha de Sintra: Lisboa Rossio - Sintra
Linha da Cintura: Alcântara-Mar - Braço de Prata
Linha de Cascais: Cais do Sodré - Cascais
Linha de Vendas Novas: Setil - Vendas Novas
Linha do Alentejo: Barreiro - Funcheira [Via Vendas Novas]
Linha do Sul: Agulha junto à Ponte Santana (Campolide) - Tunes [Via Setúbal]
Linha de Sines: Ermidas-Sado - Porto de Sines
Linha de Évora: Casa Branca - Portalegre
Linha do Algarve: Lagos - Vila Real de Stº António [Sem Tráfego: V.R.S. António - V.R.S. António do Guadiana ] [Ver Fotos]
Ramal de Monção: Valença - Monção [Sem Tráfego]
Ramal de Braga: Nine - Braga
Ramal de Alfândega: Porto Campanhã - Porto Alfândega [Sem Tráfego]
Ramal da Lousã: Coimbra-B - Serpins [Sob Gestão do Metro - Mondego, S.A.]
Ramal de Alfarelos: Alfarelos - Bifurcação de Lares
Ramal de Tomar: Lamarosa - Tomar
Ramal de Cáceres: Torre das Vargens - Marvão-Beirã (Fronteira)
Ramal de Vila Viçosa: Estremoz - Vila Viçosa [Sem Tráfego]
Ramal do Montijo: Pinhal Novo - Montijo [Sem Tráfego] [Ver Fotos]
Ramal de Montemor: Torre da Gadanha - Montemor-o-Novo [Sem Tráfego] [Ver Fotos]
Ramal de Mora: Évora - Mora [Sem Tráfego] [Ver Fotos]
Ramal de Reguengos: Évora - Reguengos [Sem Tráfego] [Ver Fotos]
Ramal de Sines: Bifurcação de Sines -Sines [Sem Tráfego]
Ramal de Moura: Beja - Moura [Sem Tráfego] [Ver Fotos]
Ramal de Aljustrel: Castro Verde - Aljustrel [Sem Tráfego] [Ver Fotos]
Ramal de Figueira da Foz: Pampilhosa - Figueira da Foz
Ramal de Neves-Corvo: Ourique - Minas Neves Corvo

 

VIA ESTREITA:
Linha do Tâmega: Livração - Arco de Baúlhe [Sem Tráfego: Amarante - Arco de Baúlhe]
Linha do Corgo: Régua - Chaves [Sem Tráfego: Vila Real - Chaves]
Linha do Tua: Tua - Bragança [Sem Tráfego: Carvalhais - Bragança] [Mirandela - Carvalhais: É explorada por Metro de Mirandela]
Linha do Sabor: Pocinho - Duas Igrejas Miranda [Sem Tráfego]
Linha do Vouga: Espinho - Aveiro [Via Sernada do Vouga]
Ramal de Famalicão: Póvoa do Varzim - Famalicão [Sem Tráfego]
Ramal de Viseu: Sernada do Vouga - Santa Comba Dão [Sem Tráfego]

 

Alguns Acontecimentos Curiosos (*):
01/04/1868: É inaugurado o serviço directo de Lisboa a Madrid, para passageiros de primeira classe.
03/05/1871: É colocado à disposição do público o livro de reclamações nas estações das linhas do Leste e Norte.
30/02/1873: Greve de oito dias dos maquinistas, fogueiros e operários das oficinas do Leste e Norte, da Companhia Real.
01/03/1877: É colocada a primeira peça do arco da ponte do Douro.
10/04/1882: É inaugurado um comboio rápido entre Madrid - Lisboa e Porto - Galiza.
04/11/1887: Início da exploração do Sud-Express, ligando Lisboa-Madrid-Paris e Calais.
18/05/1890: Inauguração da Estação Central do Rossio.
03/09/1898: Decreto autorizando o transporte gratuito nas linhas férreas do Estado de instrumentos, máquinas agrícolas e industriais, e de adubos. Esta medida foi alterada em 27 de Julho de 1901
01/01/1906: O serviço Sud-Express passa a ser diário.
05/10/1916: Inauguração da nova estação do Porto - São Bento.
11/08/1928: Inauguração da nova estação do Cais do Sodré, na Linha de Cascais, projecto do Arq. Pardal Monteiro.
28/04/1957: Inauguração da electrificação de Lisboa a Sintra.
30/06/1958: Inauguração da electrificação do troço Lisboa - Entroncamento.

(*) - Maioritariamente Retirados da cronologia do site oficial da CP

Cronologia do Material Circulante (**):

 

1890/Dezembro
Chegam a Portugal as primeiras locomotivas "Compound", construídas pela casa inglesa Beyer Peacock, destinadas à Companhia Real

1899
Aquisição à fábrica francesa Fives-Lille de locomotivas a vapor, para o serviço de rápidos entre Lisboa-Porto. Levavam 7 horas e poucos minutos.

1904
- A Companhia Real encomenda quatro automotoras de dois eixos à firma Valentim Purrey de Bordéus.
- Este tipo de automotoras a vapor (A. Borsig) alemãs, foram também propriedade dos Caminhos de Ferro do Sul em 1913, e a partir de 1931, propriedade da CP/SS (Caminhos de Ferro do Estado, Sul e Sueste), com a série 201 a 202

1905 - 1907
A casa Henshel e Sohn fornece ao Caminho de Ferro do Minho e Douro as locomotivas da série E161 a E170 (de via estreita), as primeiras locomotivas do sistema Mallet.

1911
Da casa alemã Henshel e Sohn, vem locomotivas mais potentes, que conseguem atingir 120 km/h, reduzindo o tempo de viagem de Lisboa-Porto em 5 horas e meia.

1924
- Chegam as primeiras locomotivas eléctricas à linha de Cascais, do Tipo AEG, da série L302 a L303, foram reconstruídas mais tarde em 1950, pelas Oficinas da Sorefame. De notar que a voltagem da linha de Cascais é de 1500 V.
- As 10 Locomotivas da série das que a nº 0187 que ainda hoje circula (em viagens turísticas), foram construídas na Alemanha em 1924, e foram o pagamento de uma parte de dívidas da Grande Guerra (1914-18).
- Entram ao serviço as locomotivas a vapor "Pacific" no Caminho de Ferro do Estado (Série 551 a 560), que mais pesadas, subiram o conforto dos comboios.

1925
Entram ao serviço as locomotivas a vapor "Pacific" na CP (Série 501 a 508).

1939
Início da adaptação das locomotivas a vapor à queima de óleos devido aos problemas de aquisição de carvão.

1941
Entrada ao serviço das modernas carruagens americanas com caixa em aço inoxidável (Budd), aumentando o conforto na viagem Lisboa-Porto. Foram re-modeladas nos anos 80. Eu cheguei a viajar nestas carruagens: e hoje estão fora de serviço.

1944 - 1945
São construídas 22 Locomotivas a Vapor americanas fabricadas pela Alco, pesavam cerca de 150 t (só o tender pesava 56,1 t), e tinham um esforço de tracção de 12267 Kg.
- 851-858 - CP (Caminhos de Ferro Portugueses)
- 859-860 - Companhia dos Caminhos de Ferro da Beira Alta (logo após a recepção passaram para a CP)
- 861-866 - Caminhos de Ferro do Estado - Direcção Sul e Sueste (SSE)
- 867-872 - Caminhos de Ferro do Estado - Direcção Minho e Douro (MD), mas nunca circularam nessa zona.

1948
- Entram ao serviço da Sociedade Estoril as locomotivas eléctricas do tipo GEC da North British, Company of Glasgow, com o nº3, e ficou conhecida como "Amália". Ao ser integrada na CP, ficou com o nº L301.
- Chegam 5 automotoras (Nohab) da série 50.
- São construídas 15 automotoras (Nohab) da série 100. Foram modificadas em 1980.
- Entram ao serviço os primeiros locotractores diesel do tipo 0-6-0 (the Drewry Car Company/Gardner), da série 1000.
- 15 de Setembro de 1948:
Chegam a Portugal as primeiras locomotivas americanas Diesel-eléctricas RSC- 3 Alco (American Locomotive Company) da Série 1500. Estas locomotivas fizeram Lisboa - Porto em 4 horas e 50 minutos. Hoje estão fora de serviço, após mais de 50 anos de serviço, restando poucas que foram vendidas a entidades privadas, como a "Ferrovias", "Fergrupo", "Somafel", etc.

1948 - 1950
São construídas 40 carruagens de 2ª Classe (Schindler) da série 21-22 001 a 040. Também se construíram carruagens Schindler de 1ª Classe, e outra com furgão.

1949
- Entram ao serviço 3 automotoras de via estreita (Nohab), da série 9100.
- Chegam os locotractores do tipo B-B 90/90 (General Electric/Caterpillar), da série 1100.

1952
As locomotivas Diesel do tipo 104 DE 2 (The Whitcomb Locomotive Company of Rochelle), da série 1300, entram ao serviço na CP.

1953, 15 de Outubro
Deu-se a entrada ao serviço das automotoras diesel Fiat (Série 500). Eram tão luxuosas que além de só terem 1ª Classe, dispunham de ar condicionado e serviço de refeição no lugar. Este serviço , denominado de "Foguete" durou até 1986 e fazia a ligação Lisboa - Porto em 4 horas e meia. Hoje o que resta dele, apenas o reboque que foi adaptado a um dos 5 comboios socorro.

1954 - 1955
- Chegam 10 automotoras de via estreita (Allan), da série 9300.
- Entram ao serviço 25 automotoras (Allan) da série 300.

1955
Entram ao serviço os locotractores do tipo BA (Gaston Moyse), da série 1050.

1956-1957
Chegam as primeiras 15 locomotivas eléctricas à CP do tipo Bó Bó 2500 (Alsthom-Henschel), da Série 2500, com a velocidade máxima de 120 km/h. De notar que a voltagem da catenária portuguesa é de: AC 25 Kv 50 Hz, com excepção à linha de Cascais (1500 V).

1957
Entram ao serviço as primeiras UTE (unidade tripla eléctrica), Sorefame da série 2000. Eram 25 unidades.

1961
- As Locomotivas "Brissonneau e Lotz" Tipo 040 DE, de 825 HP, da série 1200, construídas pela Sorefame, marcaram a história da economia portuguesa: São as primeiras locomotivas diesel-eléctricas de fabrico nacional. A entrada destas locomotivas permitiu por fora-de-serviço e demolir mais de 20 locomotivas a vapor.
- São reconstruídas as carruagens de madeira do tipo B600, nas Oficinas do Barreiro, através de um processo de metalização. (é me desconhecida a data de construção destas e o construtor). Ficaram conhecidas como as Metalizadas do Barreiro, a cor original da reconstrução era o azul escuro, e circularam, mais tarde no Sul (Barreiro - Setúbal e no Algarve, já com o esquema de cores vermelho / branco). Estão fora de serviço e muitas já foram abatidas :(

1962
São feitos os primeiros comboios com carruagens de fabrico nacional, em aço inoxidável, pela Sorefame. Estas 22 carruagens de 1ª Classe (feitas sob licença de "The Budd Company" Filadélfia, E.U.A.), tinham corredor de serviço, e 9 luxuosos compartimentos. Estas carruagens eram semelhantes ás modernas francesas, que faziam o serviço do Sud-Express. Carruagens mistas de 1ª e 2ª Classes (da série 39-20 001 a 007), foram também construídas.

1962 - 1963
Entram ao serviço mais 33 UTE (unidade tripla eléctrica) (Sorefame), da série 2050 e 2080

1963 -1964
São fabricadas na Sorefame as segundas 18 locomotivas eléctricas, Série 2550 (Groupement-50 Hz), semelhantes às da série 2500, mas com caixa em Inox. Foram as primeiras locomotivas eléctricas com caixa em Inox em todo o mundo (Senão as Únicas!!)

1965
Entram ao serviço 19 automotoras diesel do tipo UDD-RR (Unidade Dupla Diesel), da Sorefame, com motor Rolls Royce, da série 400.

1966 - 1967
Entram ao serviço os locotractores do tipo 42t-SR (Sorefame/Rolls Royce), da série 1150 (Sentinel).

1967
A linha electrificada chega ao Porto, desde Lisboa: os comboios "Foguete" agora com tração eléctrica, demoravam 4 horas e 15 min de Lisboa-Porto.

1967-69
Entram ao serviço as locomotivas Diesel Eléctricas do tipo LD 844 C, da série 1400 (English Electric), tendo 10 delas sido montadas na Inglaterra, e as restantes nas Oficinas da Sorefame (ao todo são 62). Estas locomotivas de 1350 HP e de 105 km/h de velocidade máxima, foram a primeira exportação de locomotivas para o serviço misto de Linhas Principais, da Inglaterra para um país Europeu.

1968
- Entram o serviço as locomotivas Diesel Eléctricas, da série 1800 (English Electric). Estas locomotivas de 2735 CV, foram a segunda exportação da Inglaterra para o Continente Europeu, para o serviço de Linha Principal. As principais características desta impressionante locomotiva são a relação potência/peso, o uso extensivo de componentes Standard, e uma grande e larga secção cruzada. São Locomotivas English Electric do Tipo 4, construídas em 1967-1968, na Vulcan Foundry (Fundição), Newtow-le-willows, Inglaterra, pesam 110 t, e tem a velocidade máxima de 140 km/h. Foram as locomotivas Diesel-Eléctricas mais potentes a serem exportadas de Inglaterra. Estão fora de serviço.
- Chegam os locotractores mais potentes da CP: do tipo BS 600 D (Gaston moyse/Deutz), da série 1020

1972
São construídas 28 carruagens de 1ª Classe (Sorefame) da série 10-69 001 a 028.

1973
Entrada ao serviço de 20 locomotivas Diesel-Eléctricas MX-620, Série 1550 (Montreal Locomotive Works / Alco), com velocidade máxima de 120 km/h.

1974
Chegam as locomotivas eléctricas francesas do tipo CP 6 (Alsthom) da Série 2600: demoravam de Lisboa-Porto 4 horas e 5 min. A sua velocidade máxima é de 160 km/h.

1975
- Entram ao serviço as primeiras 6 locomotivas diesel de via estreita: 3 delas do tipo BB 48 T (Alsthom), da série 9001 a 9003 e as restantes 3 do tipo BB 44 t (Alsthom), da série 9004 a 9006. Por fora são semelhantes, mas a principal diferença é a potência.
- São construídas 24 carruagens de aço inoxidável (Sorefame) de 2ª Classe, da série 21-40 001 a 024

1976
Chegam mais 11 locomotivas diesel de via estreita, do tipo AD 12 B (Alsthom), da série 9021 a 9031.

1976-1977
Entram ao serviço 22 automotoras do tipo UDD (unidade dupla diesel) de via estreita (Alsthom), da série 9600

1977
Mais 36 automotoras eléctricas, do tipo UTE (unidade tripla eléctrica) (Sorefame), da série 2100, entram ao serviço.

1978
Entram ao serviço na CP 3 carruagens cama do "Expresso do Oriente", construídas em 1925, da série 72-10 101 a 103. Foram melhoradas e estão hoje no Museu Nacional Ferroviário (Entroncamento)

1979
- Entram ao serviço as maiores locomotivas Diesel-Eléctricas da CP: Do tipo MXS-627, (Bombardier- EX. MLW), da série 1960.
- São construídas 20 automotoras UDD (unidade dupla diesel), (Sorefame), da série 600. Mais tarde construíram-se reboques intermédios, completando uma UTD (unidade tripla diesel). Entraram ao serviço em 1979/80.

1979 - 1980
A CP adquire, em segunda mão, à RENFE automotoras Ferrobus, sendo 4 delas com departamento de correios, construídas em 1966, e as restantes 12, sem a secção de correios, construídas em 1969. Na CP ficaram com a série 750.

1980
- Com a renovação integral da linha do Norte, que tinha troços de 140 km/h e os restantes de 120 km/h, os comboios "Foguete", fazem Lisboa-Porto em 3 horas. São na época os comboios de maior velocidade comercial na Península Ibérica.
- Entram ao serviço 10 automotoras de via estreita, do tipo UQD (unidade quádrupla diesel) Duro Dakovic da série 9700. Estas unidades foram construídas em 1963 e 1969.

1981
Chegam as locomotivas Diesel-Eléctricas mais potentes de Portugal. Do tipo AD 30 C (Alsthom), com um motor de 3300 CV de potência nominal (UIC), dividem-se em 2 séries. A série 1900-1913, para o serviço de mercadorias (velocidade max de 100 km/h) e de engates Atlas (estilo "Americano"), e a série 1930-1947, para o serviço de passageiros, com a velocidade máxima de 120 km/h. E estas são as minhas locomotivas favoritas.

1986
Entram ao serviço as carruagens Corail que, por terem ar condicionado, e excelente conforto, melhoraram os serviços rápidos de Lisboa - Porto. É criado o serviço Alfa. (Servem hoje os Intercidades)

1989
A CP adquire, em segunda mão, à RENFE (empresa espanhola) locomotivas diesel do tipo DL 535 T & S (Alco), da antiga série RENFE 313, passando a ser na CP a série 1320. Estas unidades entraram ao serviço na Espanha em 1965.
1992
A unidade nº 1 da Série 300 (Allan), construída em 1954, foi modificada no GOFF - Figueira da Foz, e transformada numa moderna Automotora VIP. Esta automotora tem uma sala de reuniões, Ar Condicionado, Maples confortáveis, Telemóvel, Rádio leitor de CDs, sistema de som integrado, TV / Vídeo, Fax, Serviço de refeições quentes / frias e assistência personalizada a bordo. Está disponível para aluguer no site da CP.

 

1992 - 1993
São remotorizadas no GOP (Grupo Oficinal do Porto) as unidades UQD (Duro Dakovic), construídas em 1963 e 1969, passando agora a serem UTD (unidade tripla diesel), de via estreita, com a caixa melhorada e nova pintura.

1993
- Chegam à CP as mais modernas, rápidas e potentes locomotivas eléctricas, do tipo LE 5600 (Siemens), da série 5600. Estas locomotivas, também denominadas "EuroSprinter", tem 5600 Kw de potência e uma velocidade máxima de 220 km/h.
- Entram ao serviço as UQE (unidade quádrupla eléctrica) (Sorefame) da série 2300. Podemos encontrá-las na Linha de Sintra e a norte de Lisboa-Oriente.

1993 - 1994
São modificadas carruagens (Sorefame) construídas em 1967/68 no GOE (Grupo Oficinal do Entroncamento), para o serviço Intercidades. A carruagem Bar desta série é 85 74 101/111. Carruagens de 1ª Classe (da série 10 74 001/003) e de 2ª Classe, foram também modificadas para este serviço.

1994
Começaram a ser remodeladas as 19 automotoras diesel do tipo UDD-RR (Unidade Dupla Diesel), da Sorefame, com motor Rolls Royce, da série 400, nas GOP - Porto, agora com ar condicionado, novo visual exterior, e interiores re-modelados, passando a ser numerado com a série 450. Foram retirados a cozinha-bar e o WC do reboque. Circulam na Linha do Minho.

1995
São reabilitadas no GOP - Porto, automotoras diesel do tipo US (Duro Dakovic) de via estreita LRV 2000, construídas em 1963 e 1969, agora da série 701 9501/06, sendo as 2 primeiras delas da CP (com pintura vermelha), e as restantes do Metro de Mirandela, com pintura verde.

1998- 2001
São construídos na Fiat Ferroviária, 10 modernos comboios Pendulares "Pendolinos *", da série 4000. Atingem 220 km/h e conseguem ganhos de velocidade em 35% nas linhas convencionais, graças à Pendulação Activa do comboio nas curvas, de um ângulo máximo de 8º, em relação ao relevê da curva. Estes comboios substituíram o serviço Alfa com Corails, e fazem hoje o serviço Alfa Pendular.
Apesar de também a 5600 (Siemens), poderem circular a 220 km/h as "respectivas" carruagens mais rápidas (do tipo Corail) estão limitadas a 160 km/h), e o recorde nacional de velocidade, foi batido, pelo Pendular, apesar deste, já em viagens experimentais, ter atingido os 217 km/h.

1998
Entram ao serviço as UTEs/UQEs 3150 e 3250 (Sorefame / GEC) da Linha de Cascais. Foram modernizadas as antigas séries 3100(?) e 3200(?). Velocidade Máxima de 90 km/h. Possuem ar-condicionado, instalação sonora, assentos modernos, etc.

 

1999
- Começaram a ser remodeladas no GOP - Porto, 21 automotoras (Allan) da série 300., passando à série 350, com um inovador design exterior, e remodelação de interiores, prolongando o tempo de vida por mais 15 anos.
- Entram ao serviço as UQE (unidade quádrupla eléctrica), de dois pisos (Alsthom), da série 3500, tanto na CP, como na Fertagus. Estes comboios tem uma lotação máxima de 1200 passageiros por comboio.

 

2002
Entram ao serviço as modernas UMEs (Unidades Quádruplas Eléctricas Articuladas) da Série 3400 (Siemens / Bombardier) para o serviço Suburbano do Grande Porto. De velocidade máxima de 140 km/h, a característica mais notável é a ausência de portas de intercomunicação: possuem passagem e visão total de uma ponta à outra, por entre os veículos. Dispõe de ar-condicionado, instalação sonora e sistema de video-vigilância.

 

(**)
- Muitas das informações foram retiradas da cronologia do site oficial da CP e outros.
- Por motivos óbvios, não estão aqui todas as referências de entrada de circulação/construção de locomotivas a vapor da CP (são cerca de 38 modelos diferentes), e também porque, no início, havia várias companhias de caminho de ferro em Portugal. O mesmo para os vagões que são em número considerável e muitos foram reconstruídos / reabilitados.
- O Webmaster agradeçe ao Sr Manuel Luna, pelas correcções e actualizações que estão de cor cinzenta.
Veja Também:
- Informação Técnica (Em Construção...)

 

Links Relacionados:
Copyright © 2006 André Costa. [ADCosta Website] Update: 02/03/2006 19:36